segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Socializar com ou sem filhos?

Ao combinar um jantar de Natal com amigos, colegas e conhecidos, alguém diz: "Ei, vão criancinhas? Não me digam uma coisa dessas". Entre outras barbaridades que para aqui não são chamadas, a pessoa alegava a bons pulmões que jantares com filhos eram uma seca e corriam sempre mal. Pouco me importa a opinião dessa pessoa e, depois de ouvir esta, muito menos, seja qual for o assunto. O que me traz aqui a esta hora é a questão: socializar com filhos ou sem filhos?
Eu gosto de estar com adultos. E gosto de estar com a minha filha. Gosto de estar só com adultos, gosto de estar só com a minha filha e gosto de juntar todos. Para mim, não faz qualquer sentido desmarcar-se um jantar só porque a avó afinal não pode ficar com a menina ou o menino naquela noite. Porque não trazes os teus filhos? Já fiz esta pergunta uma mão cheia de vezes. Até parece que as crianças são umas selvagens e completamente anti-sociais. As crianças são o reflexo da sua educação e o espelho do próprio comportamento dos pais. Não estou a dizer que não seja bom para os pais terem o seu momento, longe disso, mas esta forma de socializar que se instalou, tal clube do Bolinha, criança não entra, faz-me confusão.
Com família angolana, a minha filha está mais do que habituada a dormir em sofás alheios com casacos a tapar o frio, a dançar até às 3h da manhã, às vezes com amigos dos pais e dos avós já com um copo a mais, que a rodopiam pela sala, numa brincadeira saudável e que lhe arranca gargalhadas felizes. Porque a cultura da nossa família não exclui as crianças como se fossem ratos indesejáveis, por outro lado, inclui-as nas conversas e nas horas de lazer. A minha filha vai ao teatro, vai a concertos, vai onde eu tenho a possibilidade de a levar, porque ela não é uma coisa bonita para mostrar e depois mandar dormir. Estou a formar uma cidadã que só irá crescer socializando e, sim, socializando também com adultos.
Ah, e claro que a pessoas que despertou a minha cólera não tem filhos.    

1 comentário:

Scarlet Red disse...

Eu não tenho filhos, mas costumo gostar muito dos filhos dos outros ;) penso que se não forem outras crianças a tua filha se poderá aborrecer mais facilmente. Só isso.
Mas lá está, isso depois é um problema teu, tu é que vais ter de lidar com ela.
Não gosto de meninos mimados (nem de adultos mimados), mas se estou com eles num jantar ou almoço ou o que seja, empandeiro-os para as mães.
Mas sabes que tenho colegas que não levam os filhos para lado nenhum (aliás, nem os maridos) com a desculpa "com eles não nos divertimos nem estamos à vontade"?! Que raio?? Têm dupla personalidade? Têm vergonha da família? E como mães, que educação estão a dar aquelas crianças que aparentemente não sabem socializar? A sociedade civil é composta por crianças, jovens, jovens adultos, adultos, adultos de meia idade, séniores. Vamos criar ghettos? Realmente já se abandonam velhotes nos hospitais, nos lares, etc.
O que é giro é que essas pessoas anti-crianças não se incomodam se levares um canito qualquer de griffe ao almoço...